sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

(Ainda) Sentada – Vidrada: "Vi-te" morrer

Josephine Sacabo: Dreamer

 "Vi-te" morrer! Assisti, apaticamente, às irradiações espectrais da luz…Pelo aumento das ondas curtas "de" violeta o teu corpus mimetizou uma ficção pálida: "vejo" a "ver-nos" – "vi-te" morrer. Sentada vidrada – até acordar. 

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Porque o fundamentalismo também mata…

Aspecto primeiro: permitiram-se elaborar uma reunião” de um núcleo que “ainda” não existe(ia), onde em vez de uma apresentação concisa da história da UMAR, da UMAR enquanto actividades, do feminismo activista e não activista, do(s) feminismo(s) no geral (panorama nacional e internacional - p.ex.), visou-se a apresentação pessoal de cada uma das presentes, tendo sido referido, por algumas, o facto de não estarem minimamente familiarizadas com qualquer leitura ou corrente feminista” (felizmente a UMAR opta por uma “igualdade de género”, mas não no que diz respeito à sua formalização de associados masculinos). Passou-se, logo de seguida, à “planificação” de futuras actividades. Foi um mecanismo altamente invasivo (sim – não se é obrigada a falar, mas é constrangedor se não o fizer), altamente manipulador para a finalidade que visam.
Segundo aspecto: antes de qualquer outro “epíteto” – antes de psicóloga, académica ou o que quer que seja, endereçar-me-ei à excelentíssima Salomé Coelho enquanto Vice-Presidente da UMAR - a única representante dos órgãos sociais presente: quem “fala” (“modera”/”conduz”) tem de atentar para quem e como está a falar: repare-se, por exemplo, que a representante em causa optou, a seu bem querer, por um endereçamento na primeira pessoa (mesmo após uma reparação (de uma das presentes) face ao querer evitar (para si) um clima “à vontadinha”) a toda e qualquer uma, em vista a acentuar o clima de “informalidade” (só faltavam as cervejas). Dir-lhe-ei que, de facto, a distância permanece (para “nosso” bem) independentemente do endereçamento na primeira pessoa. De qualquer modo, e visto que somos “todas diferentes” pede-se que, enquanto “herdeira” da hiper-responsabilidade que UMAR tem assumido, saiba ter uma “cordialidade respeitosa” mesmo para com aquelas que não sendo feministas activistas pretendem, de algum modo, contribuir com algum “tipo de trabalho”.

Terceiro aspecto: em momento algum se pretende, com estas “palavras”, “agredir” o trabalho feito e conseguido pela UMAR.

É preciso, é preciso, é preciso, é preciso (faço das palavras Dela a “minha voz”): «Um certo “feminismo”, em todo o caso – um “feminismo” que interditaria e desconstruiria justamente todo e qualquer “ismo” das hipóteses filosóficas, político-sociológicas ou antropológicas essencializantes.» (BERNARDO, Fernanda (2007). «Do “Tout autre” (Lévinas/Derrida) ao “Tout autre est tout autre” (Derrida): Pontos de não-contacto entre “Lévinas e Derrida”». Acedido em: http://www.revistaitaca.org/versoes/vers14-09/238-266.pdf. pp.246-247).

(our) big jet plane

domingo, 18 de dezembro de 2011

Psyche Entering Cupid's Garden


John William Waterhouse (1905) Psyche Entering Cupids Garden

« Je ne t’ai jamais tant aimée, je n’ai jamais été si sûr de notre descendance car je t’appelle, comme l’autre, au-delà de ton nom, au-delà de tous les noms. »

DERRIDA, Jacques, La carte postale. De Socrate à Freud et au-delà, Flammarion, Paris, 1980, p. 142
[Dado que o meu painel se prestou a interromper os serviços, vejo-me obrigada a publicar sob um outro nome. Eco.]

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Mimesis germânica

Portugal na «Douta Ignorância»

Estou (in)capacitada de comentar as atrocidades fascistas que rondam nas manchetes editoriais do "nosso" Portugal (ou devo já falar da futura colónia franco-germânica?!). Desde esta segunda-feira (para ser fantasiosa) tenho estado estarrecida, na medida em que me permiti assistir, no programa Prós e Contras (RTP1), a um Ministro da Saúde (Paulo Macedo) que não consegue justificar (detalhadamente) as especialidades em que pensa intervir segundo os seus 575 milhões de redução orçamental, mas consegue justificar um aumento das taxas moderadoras, bem como "um serviço nacional de saúde para as situações extraordinárias".
Entretanto os administradores hospitalares ligados ao PS são substituídos por gestores do PSD e CDS, aproveita-se para admitir mais meia hora detrabalho por dia e, ao mesmo tempo, (como diz o Eduardo Pitta) encadeiam-se pategos!
Como se não chegasse o retorno à escolha única, o único partido (ou melhor dizendo - o secretário geral do PS) que poderia ter uma "oposição de peso" (além de se "abster") ainda confessa uma «"muitoboa" relação institucional com o Presidente da República»...




sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

«J’ai besoin de souffrir de vos griffes afin de survivre aux blessures du poème»*


Salomé, Aubrey Beardsley

*Jabès E. (1991). «Je vous écris d’un pays pesant». In A Obscura Palavra do Deserto – Um Antologia (Tamen, P., Selec. e Trad., ed. bilingue). Lisboa: Edições Cotovia. p.14.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Sakamoto na Gulbenkian


«Mama said there'll be days like this»

«...»

«Nyx
A Louise aussi de Lyon et d’Italie
O vous mes nuits, o noires attendues
O pays fier, o secrets obstines
O longs regards, o foudroyantes nues
O vol permis outre les cieux fermes.
O grand desir, o surprise epandue
O beau parcours de l’esprit enchante
O pire mal, o grace descendue
O porte ouverte ou nul n’avait passe
Je ne sais pas pourquoi je meurs et noie
Avant d’entrer a l’eternel sejour.
Je ne sais pas de qui je suis la proie.
Je ne sais pas de qui je suis l’amour.»

Caws, M. A., (2004). The Yale Anthology of Twentieth-Century: French Poetry. London: Yale University Press. p.70.

domingo, 13 de novembro de 2011

«Mais de 80 maçons em cargos influentes»

«Please, please, please»
Relembrando: «"Maçonaria usou tudo o que podia" para atacarMadeira»… Ter-se-á esquecido: i) da loja maçónica do Funchal (1767); ii) «O surto do deísmo e do filosofismo madrugou mais em Portugal do que o surto do maçonismo.*»...

*DIAS, Graça Silva; DIAS, José Sebastião da Silva. 1986. AVANÇO DO DEÍSMO NO NORTE E NO CENTRO DO PAÍS. Os primórdios Da Maçonaria em Portugal (2ªed., v.1, tomo.1). Lisboa. Instituto Nacional de Investigação Científica. p.244.

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Organon da Estupidez (7)

Há coisas diante das quais o meu cérebro simplesmente se encolhe, reticente e envergonhado... Eis uma delas - entro numa livraria, deparo-me com esta capa grotesca, tenho um corte de respiração ao ler o título e sucumbo à primeira frase desta "pérola", da qual a minha memória apenas retém a palavra "Facebook"!...
Sem mais palavras, porque também elas se (re)colhem, reticentes e envergonhadas, como se não soubessem mais o que dizer...

terça-feira, 8 de novembro de 2011

(ar)ruína(me)

"Na origem foi a ruína. Na origem acontece a ruína, ela é o que primeiramente lhe acontece, à origem. (...) Daí o amor das ruínas. E daí a pulsão escópica, o próprio voyeurismo, espreitar a ruína originária. Melancolia narcísica, memória enlutada do próprio amor. Como amar outra coisa que não a possibilidade da ruína? Que a totalidade impossível? O amor tem a idade desta ruína sem idade - ao mesmo tempo originária, infans mesmo, e já velha."
Derrida, J. (2010). Memórias de Cego. O auto-retrato e outras ruínas (Bernardo, F., Trad). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. pp.70/74.

«...right next to you...»



sábado, 5 de novembro de 2011

«Au-delà» da «Sociedade Estado»: o «Estado de Excepção Praxístico»

Porque não compreendo como é possível que um rótulo (neste caso o de "tradição"), permita que se abra um «estado de excepção» que suspenda leis e normas, um «estado de excepção» onde tudo é permitido, inclusive atentar contra direitos humanos!

Aqui fica um «absolutamente a favor» diante do projecto do BE apresentado em Assembleia da República:

sábado, 29 de outubro de 2011

Por falar em «mater»...

«Reino Unido: Igualdade de mulheres e homens na sucessão»

Agora só falta a Igreja dar o seu passinho e promover a igualdade de mulheres e homens na ordenação!

[IRONIA!]

p.s. Apenas para salvaguardar que os dois posts anteriores também estão sob alçada da IRONIA!

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

«alma mater» (ó "Virgem Maria")!

Paradoxo do "tempo" em "graus"

Onde está a escala diatónica?!
«E isto te será, da parte do Senhor, como sinal de que o Senhor cumprirá esta palavra que falou:/ Eis que farei que a sombra dos graus, que passou com o sol pelos graus do relógio de Acaz, volte dez graus atrás. Assim recuou o sol dez graus, pelos graus que já tinha andado».
Isaías 38: 7 – 8

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

«L'inconscient qui s'embrume, poésie nocturne, ôde à la lune»


"Como se sabe, os sonhos são uma coisa muito estranha. Percebemos neles, com uma clareza assustadora, com uma artística elaboração, certos pormenores, ao passo que passamos outros completamente por alto, como se não existissem, sucedendo assim, por exemplo, com o tempo e com o espaço. Creio que os sonhos não os sonha a razão, mas o desejo; não a cabeça, mas o coração, e, no entanto, sobre que coisas tão complicadas passa às vezes a minha razão, no sonho! Coisas absolutamente incompreensíveis". 
Dostoiévski, F. (2008). O Sonho Dum Homem Ridículo (Nunes, N., Trad.). Vila Nova de Famalicão: Quasi Edições. p.23 (negrito não original).

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Organon «da» Estupidez (6)

Esta será uma das incongruências que sempre me "fascinou", talvez por ser um daqueles casos em que o absurdo é tão notório – tão notório! – que as palavras nem sabem como dizê-lo de outro modo! Mas face às recentes notícias, não resisti a só mais uma "demonstração". Note-se:


Artigo 43.º

(Liberdade de aprender e ensinar)

1. É garantida a liberdade de aprender e ensinar.

2. O Estado não pode programar a educação e a cultura segundo quaisquer directrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas.

3. O ensino público não será confessional.

4. É garantido o direito de criação de escolas particulares e cooperativas.

http://www.portugal.gov.pt/pt/GC18/Portugal/SistemaPolitico/Constituicao/Pages/constituicao_p03.aspx (negrito não original)

NO ENTANTO!

Interrupções lectivas para os ensinos básico e secundário

Interrupções

Datas

1.º

De 19 de Dezembro de 2011 a 2 de Janeiro de 2012, inclusive (Natal)

2.º

De 20 a 22 de Fevereiro de 2012, inclusive (Carnaval)

3.º

De 26 de Março de 2012 a 9 de Abril de 2012, inclusive (Páscoa)

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

(2) Apogeu da FPCEUC

Da(s) Máxima(s)

Relativamente à "Ética da Leitura" e respectiva ambição de máxima: «lê de tal forma que queiras que todos leiam assim», permita-me citar-lhe a Alma do Cirurgião de Jean-Louis Faure: «Eu penso que há até o direito de operar sempre, até contra vontade do doente. Penso e tenho-o feito (...). Por duas vezes no hospital fiz adormecer doentes contra a sua vontade, mantidos à força pelos seus vizinhos válidos», para assinalar a gravidade de confundir o "operar através de" com um "fazer justiça ao pensamento". Deverei mencionar: uma conduta que reafirma alguns princípios universais adoptados (p.ex. as regras de comportamentais que espelham um conceito de dever), ou até, uma definição de moralidade que "é" pêndulo face a benefícios e desvantagens das consequências da acção, é, justamente, um desvio da reflexão ética, pois como bem saberá, esta última, precede a orientação deontológica, consequencialista e/ou utilitarista.  Mas, só mais um esforço, se a negação da "verdade absoluta" +  "verdade autónoma" + "verdades autónomas" = "premissa ética global": porque é que carecemos de comissões de ética?! Ou a sua máxima de "ética da leitura" fica, apenas e somente, nos livros?! 

domingo, 9 de outubro de 2011

Irresponsabilidade(s)

No seguimento da leitura do comentário da Nyx, e porque uma ausência de Internet nestes últimos dias acabou por ausentar igualmente a leitura de alguns artigos de opinião, resolvi perder algum tempo nos arquivos do DN procurando o que o Sr. Anselmo havia dito no entretanto. Um destes artigos suscitou-me uma paragem quase automática e, no mesmo lance, uma irritação profunda diante de tamanha irresponsabilidade! O título era “Ser humano: pessoa”.

Endereçar-me-ei, então, ao Sr. Anselmo, na esperança de que algum dia venha a ler-me. Aliás, endereçar-me-ei, antes de qualquer outro “epíteto” – antes de padre, comentador, teólogo ou o que seja - endereçar-me-ei ao Sr. Anselmo Borges enquanto docente, enquanto professor de Filosofia (enquanto aquele que professa…), e escolho este modo específico de lhe falar pois falar-lhe-ei, aqui, de responsabilidade, de uma hiper-responsabilidade, de uma responsabilidade ab-soluta que, como (suposto) leitor de Lévinas, ele reconhecerá nestes itálicos. E dir-lhe-ei, então:

i) Quem escreve deverá (ou melhor, tem de) atentar onde escreve, como escreve e para quem escreve – sempre! E o Sr. Anselmo saberá, certamente, que escreve um artigo que será publicado num jornal nacional, que escreve um artigo de opinião e que a grande maioria dos seus leitores e das suas leitoras não serão “formados(as)” em Filosofia e, mesmo que o sejam, não terão ainda dedicado, talvez, o tempo e a paciência imprescindíveis à leitura da obra imensa de Lévinas. Reitero o que digo com palavras que foram as do Sr. Anselmo há algum tempo - «A liberdade dos media acarreta o dever especial de uma informação precisa e verdadeira.» (artigo de 12 de Fevereiro de 2011, sublinhado meu);

ii) Quem escreve, e quem escreve aqui é, antes de mais, um académico, um docente, saberá que deve sempre justificar as suas palavras, deve sempre referir de onde vêm as suas leituras e, acima de tudo, saberá que deve ter a honestidade de assumir, se esse for o caso, que o que diz é uma leitura sua, uma interpretação sua, ao invés de dar a ler como se o que diz estivesse efectivamente na obra em questão.

Neste sentido, citá-lo-ei, então, e citá-lo-ei (porque citar é, antes de mais, dar a palavra ao Outro, de certo modo devolver-lhe a palavra que «desde sempre» foi, primeiramente, dele) não uma mas duas vezes:

A 13 de Março de 2010, o Sr. Anselmo afirma peremptoriamente: «Descartes acentuou o primado da subjectividade, do eu, contrapondo-lhe Levinas, em antítese, o primado da alteridade, do tu. Mas, afinal, se não se pode prescindir da alteridade, caindo no perigo do solipsismo, também é necessário evitar a tentação daquela afirmação do outro que parece prescindir do eu, caindo numa espécie de alterismo.»*

E mais de um ano depois afirma, a 10 de Setembro de 2011: «Frente a Descartes, que afirmou o eu, com o perigo do solipsismo, Levinas deu o primado ao outro, numa espécie de alterismo. Ora, é preciso afirmar simultaneamente o eu e o outro, no que poderíamos chamar o "círculo ontológico interpessoal": a pessoa é e descobre-se nas relações, mas não se dissolve nelas. Depois, não é no encontro com o outro que se pode tocar a fímbria do Eterno e fazer a experiência do Outro Transcendente enquanto Outro de todos os outros?» **

Pois bem, a mim, assusta-me como é possível, mais de um ano depois, que o Sr. aqui em questão continue a afirmar a mesma coisa de modo tão leve, tão ligeiro, como se possuísse uma verdade certa e indubitável! E note-se:

i) Lévinas, ao contrário do que aí é dado a ler, demarcou-se absolutamente de qualquer primado do «tu», demarcando-se igualmente, de modo bem claro para quem o quiser ler (para quem tiver ouvidos para o escutar) de Martin Büber. Deixarei aqui a referência de um dos muitos livros em que Lévinas apresenta essa mesma demarcação (para quem tiver a curiosidade de o ler e, no mesmo lance, deixo a referência ao Sr. Anselmo que, pelos vistos não terá lido ou não terá lido devidamente) - «autre que le prochain, mais aussi un autre prochain, mais aussi un prochain de l’Autre» (Lévinas, E., Autrement qu’être ou au-delà de l’essence, Paris, Kluwer Academic, 1990, p. 245)

ii) De igual modo, a expressão «numa espécie de alterismo» é totalmente absurda, pois não é de «alterismo» que Lévinas nos fala, não é qualquer «alterismo» que ele nos dá a ler mas, diferentemente, é em torno da Alteridade que os seus escritos se desenvolvem. E não, não é «no encontro com o outro que se pode tocar a fímbria do Eterno» Sr. Anselmo, tal como é absolutamente irresponsável da sua parte (repito-o, sim), lançar uma questão que deixa, no modo da hesitação, uma suposta “equivalência” entre o encontro com o Outro e o Eterno. O Outro ab-soluto que Lévinas nos dá a ler, tal como um outro tempo de que ele nos fala no modo de um “absurdo ontológico” (Autrement qu’être…) «é», se alguma “definição” pudermos dar, o limite de toda a ontologia, metafísica, filosofia, direito, política e da própria religião! O tempo não ocorre mais, em Lévinas, no modo desse “Eterno” marcadamente cristão que insinua na sua questão! Eu cito - «O sujeito como refém não tem começo, está aquém de qualquer presente. (…) Ele é reenvio a um passado que nunca foi presente, a um passado imemorial, que é o da afecção pré-original por outrem» (LÉVINAS, E., Deus, a Morte e o Tempo, Almedina, Coimbra, 2003, p. 177) É preciso ler responsavelmente!!!

E deixarei, para terminar, apenas mais uma citação – na esperança de que a minha responsabilidade para como o pensamento de Lévinas, uma responsabilidade desde sempre e para sempre já condenada a uma certa infidelidade seja, contudo, o mais fiel que possa… - «O sujeito, o famoso sujeito repousando em si, é desarmado por outrem, por uma exigência ou por uma acusação sem palavras, e à qual não posso responder com palavras, mas de que não posso recusar a responsabilidade.» (Lévinas, E., ibidem, p. 197)

*http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1518027&seccao=Anselmo%20Borges&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco&page=-1 (sublinhado meu)

**http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1986264&seccao=Anselmo%20Borges&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco&page=-1 (sublinhado meu)

sábado, 8 de outubro de 2011

Bonne nuit*

« Mais je t'embrasse et ça passe
Tu vois bien
On s'débarrasse pas de moi comme ça»

Da Alemanha

Preservo, talvez por teimosia, um sopro de respiração que me permita, ao fim de uma semana exaustiva, ler os artigos de opinião do excelentíssimo Anselmo Borges, pensando, a cada vez, que já nada me pode surpreender! E entra, de novo, o choque da semana: 8 parágrafos online de uma inqualificável ousadia social, de uma inexplicável  manipulação mental - Os do Sul
Esta semana, os alemães  (no seu ditame) são mote para apresentar uma máxima singular: «Se há país de que eu gosto, ele é a Alemanha. Tenho excelentes e queridos amigos alemães. O que eu sei devo-o em grande parte à Alemanha.» que se transmuta para máxima universal: «É de lá que vem da melhor filosofia, da melhor teologia, da melhor música, da melhor matemática, da melhor física, da melhor literatura. A língua alemã é singular no forjar do pensamento». Esta semana, a alma da Alemanha tem Auschwitz e generosidade no mesmo parágrafo porque «Sem ela, não haveria o que se chama União Europeia nem o euro.». Reparem que, enquanto estado membro fundador da UE, a Alemanha deve ter mais "importância" do que a Bélgica, a França, a Itália, Luxemburgo e os Países Baixos (e o euro nem remonta ao que é, ou seja,  à União Económica e Monetária, e à consagração  do Tratado de Maastricht): "obrigadinha" Alemanha!!! Será que na próxima semana vai dizer que o Estado Novo criou o Campo do Tarrafal, mas apoiava a Igreja Católica (obrigadinha Salazar!)?!

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

(1) Apogeu da FDUC

"Um advogado e antigo professor de Direito Civil na Universidade de Coimbra é suspeito de burlar empresários, tribunais e institutos públicos a coberto de um fictício tribunal arbitral"

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=2039888

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Arcano


(Re)traço a "utopia" das paisagens abstractas através da imemorialidade do teu rosto
Tela de Noronha da Costa

sábado, 1 de outubro de 2011

«Quando o escutarão?»




"A força do evento é sempre mais forte do que uma força do performativo. Face ao que me acontece e ainda também no que decido (nas Politiques de l'amitié tentei mostrar como este caso deveria comportar uma certa passividade, por isso que a minha decisão seria sempre decisão do outro), diante do outro que acontece e me acontece, toda a força performativa é ultrapassada, excedida, exposta.


A força concedida a uma experiência do talvez mantém sem dúvida uma afinidade ou uma convivência com o «se» ou o «como se». [...] Mas percebe-se bem que esse «se», esse «e se», esse «como se» não é já redutível à ordem de todos os «como se» de que até aqui falámos. E se ele declina no modo do condicional, é também para anunciar o incondicional, o eventual ou o evento possível do incondicional impossível, o inteiramente outro - que deveríamos a partir de agora (também ainda não disse isto hoje, nem o fiz) dissociar da ideia teológica de soberania."



DERRIDA, Jacques, A Universidade sem condição, trad. Américo A. Lindeza Diogo, posf. Fernanda Bernardo, Angelus Novus, Coimbra, 2003, p. 71 (negrito não original)



sexta-feira, 16 de setembro de 2011

(...)

Moro numa casa invisível onde ecoa um deserto in-finito.

Os teus braços, as minhas paredes. O teu rosto, o meu tecto. O teu corpo, o meu chão.

És a morada onde me demoro, sem demorar.

O tempo morre no teu silêncio.

Sinto a vertigem, o fascínio do abismo.

(...)

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

(im)possibilidade

A (im)possibilidade de quem "ama", de quem "amou" um ante-futuro, (re)inscrevendo até ao limite, o "voto" de promessa...
(Ilustração - Ray Caesar: CALAMITY (2011))

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Não obstante, porém e contudo: «ontologia camuflada»


“«Poesia» é o significante fundamental do indefinível […]”

NANCY, Jean-Luc, Resistência da poesia, trad. Bruno Duarte, Lisboa, Vendaval, 2005 (negrito não original)

sábado, 10 de setembro de 2011

Controlo de Qualidade:

Candidatos(as) 2011/2012 à «fogayrinha»

Aníbal António Cavaco Silva
Maria Manuela Dias Ferreira Leite
Pedro Manuel Mamede Passos Coelho
Vítor Louçã Rabaça Gaspar
Nuno Paulo de Sousa Arrobas Crato

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Organon «da» Estupidez (5)

Shakespeare decassílabo de Vasco Moura*:
«És música e a música ouves triste?
Doçura atrai doçura e alegria:
porque amas o que a teu prazer resiste,
ou tens prazer só na melancolia?
Se a concórdia dos sons bem afinados,
por casados, ofende o teu ouvido,
são-te branda censura, em ti calcados,
porque de ti deviam ter nascido.
Vê que uma corda a outra casa bem
e ambas se fazem mútuo ordenamento,
como marido e filho e feliz mãe
que, todos num, cantam de encantamento:
É canção sem palavras, vária e em
Uníssono: “só não serás ninguém”.»
e
Shakespeare de Shakespeare:
«Music to hear, why hear’st thou music sadly?
Sweets with sweets war not, joy delights in joy;
Why lov’st thou that which tou receiv’st not gladly,
Or else receiv’st with pleasure thine annoy?
If the true concord of well-tuned sounds
By unions married, do offend thine ear,
They do but sweetly chide thee, who confounds
In singleness the parts that thou shouldst bear:
Mark how one string, sweet husband to another,
Strikes each in each by mutual ordering,
Resembling sire, and child, and happy mother,
Who all in one, one pleasing not do sing:
Whose speechless song being many, seeming one,
Sings this to thee: ‘Thou single wilt prove none.’»

*Moura, V. G. (2011). Os Sonetos de Shakespeare (Silva, C., Rev., versão bilingue). Lisboa: Círculo de Leitores. 

domingo, 28 de agosto de 2011

The highlight of the week goes to: Anselmo Borges


«Reunir cerca de um milhão e meio de jovens de todo o mundo, festivos e ordeiros, que se mantiveram serenos durante uma forte tempestade, que ficaram em silêncio recolhido em momentos intensamente religiosos, é obra. ¶ Dir-se-á que foram para conhecer novas terras e novas gentes, conviver, encontrar outras culturas. Pergunta-se: e que mal há nisso?, não é bom que convivam e aprendam o exercício de uma lição maior: o diálogo intercultural?»

Um quadro sublime: Não há nada melhor, num suspiro de desejo teocrático, do que jovens "festivos e ordeiros" em "silêncio recolhido". Não questionem nada: "convivam e aprendam o exercício…"!  

sábado, 27 de agosto de 2011

"(…) sou só um cadáver vivo e que se vê sobreviver – e vivo aqui com angústias de morte" (Artaud 1942: manicómio de Rodez)


Para lá do tempo da história, do tempo do mundo, sobrevive a incondicionalidade de acolher a «indecibilidade» que "é" submeter-se a um sofrimento institucionalizado. A recusa de um «sofrer embrutecedor», nas palavras de Blanchot, traduzem(me) (a meio tom)  nas margens de um Vadio, que o suicídio "é" a declaração dramática de um «resguardo» institucional (in)suficiente. Acabará, também, por ser injusto, na (im)possibilidade de responder enquanto justo (res)guardo. E para quem ler, nestas linhas, uma «indecibilidade» como "inadaptação" ao sofrimento institucionalizado, reclamando, por isto, a "condição de possibilidade" de um "exercício" justo da própria «desconstrução», dir-lhe-ei, com Derrida: «o fundamento místico da autoridade» "só pode" ser cruel, na medida em que o paradoxo entre a «diferença» e a «presença» (também) não suporta, numa só vez, «a vida a morte».
Joel-Peter Witkin ( b. 1939)
Woman on a Table, 1987

domingo, 21 de agosto de 2011

«...»

«Since you ask, most days I cannot remember.

I walk in my clothing, unmarked by that voyage.

Then the almost unnameable lust returns.

Even then I have nothing against life.

I know well the grass blades you mention,

the furniture you have placed under the sun.

But suicides have a special language.

Like carpenters they want to know which tools.

They never ask why build.

Twice I have so simply declared myself,

have possessed the enemy, eaten the enemy,

have taken on his craft, his magic.

In this way, heavy and thoughtful,

warmer than oil or water,

I have rested, drooling at the mouth-hole.

I did not think of my body at needle point.

Even the cornea and the leftover urine were gone.

Suicides have already betrayed the body.

Still-born, they don’t always die,

but dazzled, they can’t forget a drug so sweet

that even children would look on and smile.

To thrust all that life under your tongue!—

that, all by itself, becomes a passion.

Death’s a sad bone; bruised, you’d say,

and yet she waits for me, year after year,

to so delicately undo an old wound,

to empty my breath from its bad prison.

Balanced there, suicides sometimes meet,

raging at the fruit a pumped-up moon,

leaving the bread they mistook for a kiss,

leaving the page of the book carelessly open,

something unsaid, the phone off the hook

and the love whatever it was, an infection.»

Anne Sexton, "Wanting to Die" from The Complete Poems of Anne Sexton (Boston: Houghton Mifflin, 1981). Copyright © 1981 by Linda Gray Sexton and Loring Conant, Jr. Reprinted with the permission of Sterling Lord Literistic, Inc.

Kirsty Mitchell, My Angel (2008-2009)